quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Homeopatia x Dengue


Em abril postei aqui no blog sobre um preparado homeopático que é utilizado pela secretaria de saúde de Macaé. Cabe ressaltar que por lá não foram tão significativos os casos de dengue e agora com a nova ameaça de surto, trago novamente o assunto para que as autoridades médicas atuais e futuras do município de Campos possam avaliar a utilização desse preparado homeopático na população.
Uma pessoa da minha família tomou as gotinhas homeopáticas e só foi saber que teve dengue algumas semanas depois, pois ao fazer um exame de sangue rotineiro, foi constatado que ela teve dengue. Só que os sintomas foram muito reduzidos e praticamente passou desapercebida a suspeita de dengue.
Aproveito a oportunidade para registrar também o comentário do Dr. Flávio Mussa Tavares na ocasião. Ele é médico e homeopata e como tal conhece bem do assunto. Acho que já era o momento de se avaliar a possível "vacinação" de nossa população.

Caro Gustavo,
Como sou médico e entre outras coisas faço Homeopatia, recomendo que a medicação: Eupatorium perf 30 CH/Crotalus horridus 30 CH/ Phosphorus 30 CH}- 10 ml seja tomada da seguinte maneira:
Tomar 3 gotas em dose única para quem estiver sem sintomas, como prevenção!
Tomar 3 gotas, três vezes ao dia, quem estiver com sintomas sugestivos de dengue.
Pode mandar aviar em meu nome!
Abraço


Para quem desejar maiores informações, o blog do Dr Flávio Mussa está logo aí do seu lado direito da tela.

O assunto já foi tema de matéria no JB

Experiência pioneira

São José do Rio Preto foi o primeiro município do país a adotar oficialmente o tratamento com homeopatia contra a dengue. De acordo com o secretário de Saúde do município, Dr.Arnaldo Almendros Mello, a idéia de distribuir o complexo homeopático gratuitamente nos postos de saúde contribuiu para uma queda substancial do número de casos da doença.

- Tivemos 10 mil casos de dengue no ano passado na cidade, com piora da morbidade e maior incidência de internações. Com o trabalho homeopático, o número de casos caiu para 189 – comemora.

Apesar da grande queda no número de casos, o secretário não atribui a melhora no quadro apenas à homeopatia.

- Não dá para atribuir só ao complexo homeopático essa queda porque o trabalho foi continuado, aliado ao combate aos focos do mosquito. A homeopatia foi uma terapia alternativa, mas os resultados são otimistas – considera.

A escolha da homeopatia surgiu por conta do trabalho de um homeopata da cidade, que utilizou o complexo para aplacar uma epidemia de dengue em Havana.

- Nossa base foi o estudo de um médico e homeopata do município, Dr. Renan Marino, que já tinha experimentado um complexo homeopático, inclusive apresentado o trabalho em Cuba, e defendia que o medicamento diminuía o tempo dos sintomas para dois ou três dias, quando não os tornava quase imperceptíveis – diz Mello.

Inicialmente, 100 mil doses iniciais foram distribuídas em março nas 23 unidades de saúde da cidade, mas o tratamento continua à disposição nos postos médicos. A aplicação é feita em uma dose sublingual, com custo por unidade de apenas R$ 0,01. Para o secretário, o uso da homeopatia traz vantagens também para os cofres públicos.

- É um tratamento barato, com custo reduzido e sem contra-indicações e efeitos colaterais – pondera. - Decidimos distribuir nas unidades para evitar a auto-medicação. Começamos com quem morava em regiões de foco da dengue. No início distribuíamos para quem quisesse, mas as pessoas interpretaram o complexo como uma vacina contra a dengue. Ficamos receosos de que elas descuidassem do combate ao mosquito e só aplicamos agora para quem apresenta os sintomas da doença.

Para o professor convidado para o curso de homeopatia da Universidade Federal de Viçosa (UFV), José Alberto Moreno, a homeopatia é eficaz tanto na prevenção quanto no tratamento da dengue.

- O uso da homeopatia tem duas direções, para evitar a dengue e como tratamento curativo para quem já está com dengue. O modelo homeopático complementa o tratamento com a alopatia – conclui.

Um comentário:

Flávio Mussa Tavares disse...

A única consideração que não pode deixar de ser feita é que esta medicação pode 'preparar' o organismo para o ataque viral, mas não impedi-lo. Portanto, não é vacina homeopática contra dengue, não é preventivo contra dengue e nem mesmo medicação curativa da dengue.
É apenas uma medicação preparada com substâncias que funcionam como atenuação dos sintomas da dengue. Principalmente a hemorragia, uma vez que a administração do medicamento em pessoas comprovadamente com dengue, produziu rapidamente um crescimento do número de plaquetas, consequentemente reduzindo o risco de uma dengue hemorrágica.